Comentários

Como curtir seu tempo com as pessoas que mais ama.

Alguns conselhos sobre como gerenciar situações familiares desafiadoras com amor, compaixão, tolerância e força movidos pelo perdão. 
Vamos lá! Como tenho certeza de que você está bem ciente, as férias estão se aproximando rapidamente. Se você é como muitos (mais?) dos casais e pessoas de aconselhamento de vida, e aconselhamento matrimonial, que tenho atendido nas últimas semanas você provavelmente já teve muitas perguntas em sua mente sobre como lidar com esta época do ano – especialmente quando vem à mente o gerenciamento de seus relacionamentos familiares mais importantes.
Embora as férias em família tenham o potencial de ser oportunidades divertidas e significativas de conexão, elas também podem estar repletas de dilemas interpessoais delicados e / ou irritantes para muitas pessoas. Você quer ter relações próximas com seus familiares ou sogros e, ao mesmo tempo, pode sentir-se muito desafiado para navegar na temporada de férias, sem a sua família pressionando seus botões e disparando seus desencadeantes emocionais.
Por ter tido experiências ruins durante os feriados, muitas pessoas podem passar semanas, senão meses, levando as férias em um estado de “ansiedade de férias”. Tivemos uma série de perguntas bem planejadas e sinceras, recentemente, de orientandos e leitores  sobre como lidar com várias situações de relacionamento durante os feriados.
Como um pequeno “pacote de cuidados” de férias para eles e para você, vou colocar meu chapéu de conselheira familiar e abordá-los.
Aqui estão algumas das perguntas que nossos ouvintes estão perguntando ultimamente. Eu escolhi essas questões em particular porque acho que tantas pessoas podem se relacionar com elas …
1)Avós que não respeitam os pais
“Dra. Sara, eu amo a família da minha esposa. Eles são tão gentis e generosos conosco. Ao mesmo tempo, sinto que eles não respeitam nossa (especialmente minha) autoridade como pais. Em nossa casa, temos expectativas para o comportamento do nosso filho, e também estabelecemos limites em torno de coisas… Eu sinto que os pais da minha esposa ignoram estes princípios nossos completamente, mesmo quando nós pedimos diretamente para eles. Os avós estão ultrapassando os limites. Em particular, minha sogra é controladora e dominadora. Não importa o que eu digo ou como eu me sinto. Minha esposa me diz que é exatamente como ela é e acompanha isso o tempo todo. Mas estou tão frustrado quando estou ao seu redor. Preciso que ela estabeleça fronteiras com sua família e acho que ela não o fará. Eu preciso estabelecer limites para os avós. Nós vamos ficar com eles por uma semana. Socorro!”
2)Passar Natal sozinho após o divórcio
“Este é o meu primeiro feriado depois do meu divórcio, e eu me sinto muito triste. Tudo o que posso pensar são feriados que tive com o meu ex cônjuge. Meus amigos estão ocupados com suas famílias. Me sinto só. Eu acho que estou começando a ter “depressão do feriado”. O que eu faço?”
3)Pais tóxicos: eu evito minha família durante os feriados?
“Eu quero ter um bom relacionamento com minha família, mas ao longo dos anos percebi que tenho pais tóxicos. Eu acredito que eles podem até ser pais narcisistas. Ambos os meus pais são críticos e julgadores de mim e dos outros. Minha mãe pode literalmente ser abusiva em relação a mim. Ela também é totalmente dependente de códigos. Eu lidei com isso no passado, evitando encontros familiares e evitando minha família durante os feriados. Meus amigos me disseram que eu deveria cortar a família inteira e, honestamente, considerei cortar a família fora da minha vida. Eu não quero fazer isso, mas não sei o que mais fazer para me proteger da minha família tóxica”.
4)Filhos adultas de pais emocionalmente imaturos
“Meus pais são as pessoas mais legais do mundo, mas eles me deixam louco. Minha mãe está constantemente queixando-se de sua saúde, e então eu a vejo sentar-se o dia inteiro e comer e comer… Ela está seriamente com excesso de peso, tem pressão arterial elevada, é pré-diabética e não fará nada sobre isso. Meu pai constantemente interrompe as pessoas. Ele bebe demais. Ele fala com a boca cheia. Meus pais não estão bem financeiramente, gastam muito dinheiro com os filhos durante os feriados e eles fazem escolhas financeiras ruins em geral. Estou literalmente envergonhado por meus pais. Eu quero ajudá-los, mas quando digo qualquer coisa, eles me repreendem. Todo o meu “stress do feriado” está vinculado à minha família frustrante. Como lidar com isso? “
Mesmo que a temporada de férias geralmente lhe satisfaça, é difícil ser alegre quando você é consumido por memórias dolorosas de férias passadas. O primeiro ano após a separação, ou pós-divórcio, pode ser especialmente traumático. Lembranças dolorosas do passado podem se reproduzir e tentar ameaçar as luzes cintilantes do Natal levando-o a um sensível estado de tristeza. Tudo isso pode fazê-lo se sentir particularmente solitário se você está acalentando um coração quebrado. A dor emocional o faz sentir-se isolado e  com dificuldade de compartilhar quando parece que todos os outros estão felizes e se divertem.
Em suma: esta época do ano parece dificultar ainda mais a situação difícil.
Se você é como a maioria das pessoas nesta posição, você provavelmente tem muitas perguntas: “Como eu deveria lidar com eu mesmo em certas situações?” “Eu deveria tentar ir às festas familiares neste fim ano, ou deveria ficar mais reservado?” “Como fazer para eu cuidar de mim mesmo? “E, será que essa soledade e dor acabarão?”
Verdadeiramente, as respostas a essas perguntas nem sempre são fáceis ou simples. As respostas realmente dependem de onde você está no processo de recuperação em relação ao relacionamento fragilizado ou quebrado. A cura da dor (que pode ser até instantânea) bate às portas do seu coração a mostrar-lhe como realmente aproveitar a oportunidade desta época do ano para mover seu “processo de cura do coração” e partir para o sucesso nas relações interpessoais.
Como perdoar alguém depois de lhe ferir.
Quando um ente querido não responde de maneira emocionalmente favorável em um momento em que mais se precisa, isso pode prejudicar profundamente o senso de segurança emocional e de confiança entre as duas pessoas. Na verdade, o relacionamento pode sentir como se mudasse para sempre. Os eventos positivos são apagados, deixando-nos ver apenas falhas, hábitos irritantes e presságios de coisas mais ruins por vir. Esses momentos de mistura complexa podem causar sofrimento relacional. Se eles se tornam rotineiros, eles podem se tornar traumáticos ao longo do tempo corroendo a base original, segura e amorosa, que o casal, os pais, ou outros entes queridos tenham forjado tão cuidadosamente, deixando-os envolvidos em ruínas.
Uma maneira de superar esses momentos repetidos de desconexão significativa ou de desapontamentos  é, primeiro tomar consciência do que está acontecendo, entender o que aconteceu de forma profunda. E, para passar os feriados, o Natal e as festas de fim de ano em paz consigo mesmo e com os outros, pode ser útil considerar o perdão.
O Projeto Stanford Forgiveness desenvolvidos por pesquisadores da Universidade de Stanford, explorou as propriedades curativas do perdão e descobriu que as pessoas que perdoam experimentaram melhorias no bem-estar físico e emocional.
Então, como perdoamos?  O verdadeiro perdão no contexto de um relacionamento íntimo exige muitas vezes a participação de ambas as pessoas. Para o “parceiro ofensor”, tomar consciência de que ele machucou profundamente o parceiro já é um começo. O  Dr. Johnson delineia mais seis passos essenciais para o perdão em seu livro, Hold Me Tight.
Os seis passos principais para o perdão
  1.  O ofendido precisa falar o mais abertamente possível sobre sua dor com o máximo de detalhes possível (por exemplo, “senti-me tão traído / extremamente sozinho / realmente não amado / etc.”).
  2. O outro o escuta, permanece presente e reconhece a dor e a parte dele na causa. Até que a dor seja verdadeiramente reconhecida.
  3. O ofendido começa a se emergir da parede protetora dele e novamente compartilha a profundidade de sua mágoa, traição, dor, etc.
  4. O outro toma posse da dor que ele causou, legitima a dor do outro e pede desculpas por um lugar genuíno e autêntico no seu coração. Um pedido de desculpas autêntico convida ambos à reconexão.
  5. O parceiro da dor identifica o que ele / ela precisa fazer para fechar a ferida e expressa diretamente a seu parceiro respondendo de forma adequada e empática.
  6. Os envolvidos agora tem a oportunidade de uma nova história de como juntos eles enfrentaram o trauma e a dor e estão dispostos a curá-lo.
Muitas pessoas, particularmente aqueles que sofreram graves traições de confiança, ou se sentem abandonados em um momento de grande necessidade, precisam do apoio de um conselheiro familiar ou matrimonial experiente para trabalhar juntos esses passos.
Os Benefícios do Perdão
O Dr. John Gottman, um especialista internacionalmente reconhecido em relacionamentos e fundador da abordagem baseada em evidências para a terapia de casais, “The Gottman Method”, afirma que a emoção negativa leva uma grande quantidade de energia para se manter ativa, devastando pessoas e relacionamentos. É preciso força e coragem para embarcar em um caminho de autêntico perdão, e as pessoas não precisam ser dominados por ressentimentos não resolvidos. De acordo com Gottman, o perdão dá aos casais e às pessoas de modo em geral o futuro que merecem.
Na verdade, o perdão não é esquecer, nem se afastar da responsabilidade, ou tolerar um
ato prejudicial; é o processo amoroso de recuperação do nosso poder de curar nossas vidas para que possamos realmente viver.
E, claro, eu não poderia deixar de citar aquele que nos inspira a viver e a ensinar o perdão, JESUS. Recordemo-nos do que ele afirma:
“Perdoa-nos as nossas ofensas, assim como perdoamos aos nossos ofensores.” Mateus 6:12
E, então, vamos colocar essa fórmula em prática e viver o melhor Natal com os entes queridos?
EU VOU!
Tudo de melhor para vocês!!
By Sara Bernardes

Comentários

As regras não nos restringem; pelo contrário, facilitam nossos objetivos e nos ajudam a ter uma vida mais plena e livre.

Dra. Sara Bernardes

Seja bom e correto mesmo quando ninguém estiver olhando.

Sara & Cilas

“… revesti-vos de AMOR, que é o VÍNCULO da PERFEIÇÃO.”

Cl 3:14

Ninguém é bom demais, ninguém é bom sozinho e é preciso agradecer.

Sara & Cilas

Nunca forme uma opinião sem ouvir os dois lados.