Comentários

Decisão da Suprema Corte Americana

Na semana passada, a Suprema Corte Americana emitiu uma decisão decepcionante que impõe o casamento entre pessoas do mesmo sexo em todos os 50 estados americanos.

Embora este resultado tenha sido previsto por muitos observadores, a ação do Tribunal de Justiça não deixa de ser surpreendente em sua rejeição de um entendimento da sociedade de que o casamento remonta aos primórdios da civilização. A Suprema Corte pisoteia o processo democrático por neutralizar a vontade de mais de 60 por cento dos americanos que votaram sobre a questão e cria um novo direito constitucional federal.

Os americanos estão preocupados que esta decisão vai atiçar as chamas da hostilidade  contra indivíduos, empresas e organizações religiosas cujas convicções cristãs irá impedi-los de oficiar, participar, ou celebrar essas uniões.

Em última análise, no entanto, nenhum tribunal pode alterar a verdade eterna de que o casamento foi,  é, e sempre haverá de ser, entre um homem e uma mulher. Independentemente da decisão da Suprema Corte Americana, as igrejas cristãs e organizações cristãs americanas e em todo mundo e este ministério continuaremos a abordar a importância de um homem e de uma mulher no casamento e nas famílias, na sociedade e, especialmente, para as crianças que têm o direito a uma mãe e um pai. Louvamos a Deus pela oportunidade de brilhar uma luz sobre o Seu plano divino sobre a família durante os próximos anos.

Nos dias que virão, devemos nos lembrar de nossas palavras temperadas com sal. É hora de ser uma luz nestes tempos escuros. Agora, mais do que nunca, devemos imitar Jesus Cristo.

Comentários

As regras não nos restringem; pelo contrário, facilitam nossos objetivos e nos ajudam a ter uma vida mais plena e livre.

Dra. Sara Bernardes

Seja bom e correto mesmo quando ninguém estiver olhando.

Sara & Cilas

“… revesti-vos de AMOR, que é o VÍNCULO da PERFEIÇÃO.”

Cl 3:14

Ninguém é bom demais, ninguém é bom sozinho e é preciso agradecer.

Sara & Cilas

Nunca forme uma opinião sem ouvir os dois lados.