Comentários

Como lidar com o desemprego do marido

A perda de um emprego pode colocar o voto “para melhor ou para pior” no teste.

O desemprego, assim como o divórcio ou a morte constam no topo da lista, com elevadas taxas, como um dos eventos indutores de estresse na vida de uma pessoa. Felizmente, há uma abundância de recursos e orientação para aqueles que lidar com seu próprio desemprego. Mas o que dizer do resto da família? Impactos do desemprego sobre os cônjuges e filhos, também.

Uma determinada esposa diz que sente uma combinação de simpatia e raiva em relação a seu marido desempregado.

“Eu não sei o que dizer a ele quando eu chegar em casa do meu próprio trabalho e ele obviamente teve outro dia difícil de beco sem saída. A casa está uma bagunça e ele está deitado no sofá”, explica ela . “Eu sei que ele teve um dia difícil, mas ele não pode tornar-se útil, enquanto ele está à espera de retornos de chamada?”

A Delicada Balança

Situações de desemprego geram tensão no relacionamento conjugal por razões óbvias. Além dos encargos financeiros em uma casa, o cônjuge que continua o trabalho como provedor enfrenta seus próprios problemas em lidar  com a questão, e ser o arrimo da família deprimida pela situação. A mulher, cujo trabalho “secundário” é agora única fonte de renda de um casal, de repente, pode arcar com o ônus de pagar as contas. Não só isso, mas ela também deve desempenhar o papel de conselheira e líder de torcida para ajudar o marido traumatizado, quando ele se sente desmoralizado pelo desemprego.

Uma mulher nesta situação caminha por uma linha tênue entre a companheira compassiva e o treinador durão. Se acontecer de você ter uma personalidade “zeladora”, você pode ter que assistir a uma tendência de dar ao seu cônjuge permissão tácita para ficar preso na auto-piedade e inação. Se forçar muito, você corre o risco de se sair tão fria e indiferente.

Antecipar o que está vindo – ser proativo

Assim que possível, após uma perda de emprego, você e seu marido devem sentar-se juntos e criar estratégias não só para a busca de emprego, mas maneiras que vocês podem utilizar para manterem-se fora (ou pelo menos minimizar) de conflitos que vêm com o estresse do desemprego.

Os dias seguintes ao desemprego não são fáceis. Coloque as suas cabeças juntas para chegar a um “plano de ataque”  porque isso é exatamente o que vocês vão precisar para lidar com as pressões que podem minar um casamento nestas circunstâncias difíceis.

Casamento e Família – Plano de Sobrevivência

Em primeiro lugar, pratiquem uma atitude que trata o desemprego como situação temporária e gerenciável. A rejeição repetida que se passa com a procura de emprego é difícil, mas as chances são de que um novo trabalho acabará por vir, se você quer manter o foco e a busca. Manter uma perspectiva saudável é importante. Esteja aberto para o que Deus pode estar tentando ensinar-lhe tanto por essa experiência.

Se você ainda tiver filhos em casa, deve ser aberto e honesto com eles sobre sua situação. Comunique-se de forma realista, mas otimista, sobre o futuro. (Não é o fim do mundo!) Planeje horários regulares juntos como uma família para discutir sentimentos, as finanças, as prioridades e como todos podem lançar-se dentro para aliviar o estresse em casa. Explique que todo mundo vai ter que sacrificar (cortes temporários em subsídios, cortando algumas compras, como roupas, etc.) por algum tempo até que o pai encontra um novo emprego. Lembre os filhos que estão juntos nisso  – e, juntos, vocês vão sair dessa adversidade experimentada, melhor e mais fortes, e talvez com compaixão recém-descoberta para os outros em circunstâncias semelhantes.

Insista em pelo menos uma noite por semana, quando você pode agendar tempo sozinho ou com seus próprios amigos. Ajude seu marido entender que o tempo que você gasta em si mesmo irá ajudá-lo a ser um cônjuge melhor quando estão juntos. Mesmo no melhor dos tempos, é bom cultivar seus próprios hobbies e interesses.

Lembre-se e ajude o seu cônjuge para viver um dia de cada vez. Ajude seu marido evitar pensamento catastrófico ( Eu nunca vou encontrar trabalho! ). Seja positivo em suas atitudes e orem juntos todos os dias pela provisão de Deus para suas necessidades físicas, emocionais e materiais, e para o seu relacionamento. E continue a falar! Comunicação deliberada e livre atenua os efeitos da depressão e ajuda a aumentar a auto-estima ferida.

Aceite que você tem dias bons e dias ruins. Nos dias bons, discutir o que os torna bons e debater formas de manter a energia positiva (ir para a cama a uma hora razoável, juntos, o exercício da manhã, tempo de oração, etc.). Manter uma rotina, tanto quanto possível. Seja mutuamente responsáveis, definindo uma agenda diária para ambos: entrevistas de emprego, compromissos pessoais, tarefas em casa, etc.

Desemprego pode fazer as pessoas quererem retirar-se, mas é importante evitar tornar-se socialmente isolado. Continue a frequentar a igreja e mantenha compromissos sociais durante a semana. Compartilhe o que você está passando com os amigos. Você precisa de apoio agora mais do que nunca – e ao contrário do que se poderia pensar, os amigos serão honrados pelo seu desejo de confiar neles.

Planeje atividades em conjunto que irá ajudá-lo desabafar. Muitos jardins zoológicos da cidade grande e os museus têm ocasionais dias “livres”. Ao ar fresco, dê um passeio de bicicleta, faça um piquenique. Planeje um momento onde você concorda em pôr de lado preocupações de emprego e se concentre apenas em se divertir.

O seu cônjuge está enfrentando um momento difícil, mas você também. Ore a Deus para receberem energia, compaixão, paciência e discernimento através desta temporada desafiadora. E lembre-se: como todas as estações que compõem a vida, isto também passará!

Sara Bernardes

Comentários

As regras não nos restringem; pelo contrário, facilitam nossos objetivos e nos ajudam a ter uma vida mais plena e livre.

Dra. Sara Bernardes

Seja bom e correto mesmo quando ninguém estiver olhando.

Sara & Cilas

“… revesti-vos de AMOR, que é o VÍNCULO da PERFEIÇÃO.”

Cl 3:14

Ninguém é bom demais, ninguém é bom sozinho e é preciso agradecer.

Sara & Cilas

Nunca forme uma opinião sem ouvir os dois lados.